Negócios em Foco

Os Jovens estão fumando mais e com novas alternativas estão se sentindo seguros


SAO PAULO 19/08/2019 09h30

Mas já se sabe que as novas opções são verdadeiras ciladas, pois todas causam danos à saúde, alerta o Prof. Dr. Flávio Hojaij

Prof. Dr. Flávio Hojaij, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço

Os jovens estão fumando mais (*pesquisa Vigitel 2017), ao contrário dos adultos com mais de 24 anos, que vem reduzindo esse hábito. E os jovens ainda estão lançando mão de estratégias que falsamente consideram mais saudáveis: cigarros eletrônicos, narguilé e cigarros de tabaco enrolados à mão.

Na verdade, todas essas alternativas fazem muito mal à saúde. E, associadas ao consumo de álcool, acabam sendo uma das principais causas do surgimento de câncer na região da cabeça e pescoço, onde se inclui a boca, a língua, garganta e faringe.

Estudos científicos mostram que os vapores emitidos pelos cigarros eletrônicos estimulam a produção de substâncias químicas inflamatórias que desativam as células de proteção dos pulmões, responsáveis por retirar dos alvéolos a poeira, bactérias e alérgenos.

Segundo o Prof. Dr. Flávio Hojaij, especialista em cirurgia de cabeça e pescoço, os cigarros eletrônicos, ou vaporizadores de nicotina, foram criados com a intenção de ajudar as pessoas que querem parar de fumar e tornaram-se uma verdadeira cilada.

“Os vaporizadores, ou cigarros eletrônicos, têm uma quantidade menor dos componentes do que o cigarro normal, mas ainda tem uma quantidade muito grande de nicotina. Então não é uma alternativa, é uma estratégia para parar de fumar. Não se pode começar a ter outro tipo de vício. Não existem evidências de que essa estratégia funcione e, pior, estudos já demonstram que o uso do vapor é tão tóxico quanto fumar cigarros a combustão. É preciso ainda uma maior conscientização sobre a questão entre os jovens que estão aderindo em maior número à utilização desses artefatos”.

Sobre o hábito de fumar narguilé, o Dr. Flavio Hojaij alerta que as pessoas ficam compartilhando o tabaco por meia hora, ou uma hora e acabam inalando uma quantidade enorme de nicotina, equivalente a vários maços de cigarros. E obviamente isso traz danos enormes para vários locais do corpo, como pulmão, pele, bexiga, enfim, todos os lugares possíveis onde a nicotina e o tabaco são deletérios

E quanto ao hábito de se fazer cigarros à mão, enrolando o tabaco em papel, isso não os torna naturais ou menos nocivos: “Eles fazem tanto mal quanto, pois a nicotina é a principal substância química psicoativa no tabaco, extremamente viciante”, afirma Flávio Hojaij, Professor Livre Docente da Faculdade de Medicina da USP.

Todos os cânceres de cabeça e pescoço estão associados ao tabagismo. Especialmente os da boca. Dados do INCa (Instituto

Nacional do Câncer) revelam que surgem a cada ano mais de 14 mil novos casos por ano.

(*) Dados da pesquisa Vigitel 2017, do Ministério da Saúde. Entre os jovens de 18 a 24 anos, houve aumento de 7,4% (em 2016) para 8,5% A pesquisa ouviu mais de 53 mil pessoas acima de 18 anos nas capitais brasileiras e apontou uma redução nos índices de fumantes adultos, em 2017, foram registrados cerca de 10,1% e no ano anterior, o dado era de 15,7%. A pesquisa referente a 2018 ainda não foi divulgada.

Contato | Anuncie
Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Negócios em Foco

Notícias empresariais

Localização
São Paulo - SP, Brasil

E-Mail
redacao@negociosemfoco.com