Negócios em Foco

DÓLAR EM ALTA BATE RECORDE COM A PANDEMIA DO COVID-19 E GERA IMPACTO NO SETOR DE TURISMO BRASILEIRO


Rio de Janeiro - RJ 08/06/2020 12h55

Líana Bittencourt, educadora financeira e coautora do livro A Roda do Dinheiro

"Quando as viagens voltarem, e não sabemos quando, elas serão diferentes!” (AIRBNB, 2020). Essa frase acompanhou a decisão de demitir 25% dos funcionários da empresa Airbnb, tomada por seu cofundador e CEO Brian Chesky, no último dia 5 de maio. O anúncio foi noticiado pela plataforma AAA Inovação, em carta de tradução própria, para representar o momento cheio de dúvidas e incertezas em que estamos imersos (AAA Inovação, 2020). O que isso significa na prática? Que estamos passando por uma crise de magnitude mundial, sem precedentes, a qual nos faz repensar antigos modelos de negócios e refletir sobre a forma de entrega de valor aos consumidores em formato diferente. A essa incerteza, tem-se comumente chamado de “novo normal” (SCHIRATO, 2020). A associação entre instabilidade política, diminuição da taxa de juros e crise sanitária global, proveniente da Pandemia de COVID-19, tem feito muitos investidores estrangeiros retirarem seus recursos da Bolsa Brasileira. Deste modo, o objetivo principal da nossa reflexão consiste em compreender de que maneira esses três grandes fatores influenciam o mercado brasileiro de turismo e viagens.

O primeiro fator elencado, a instabilidade política, tem influência direta na variação do dólar. Quando o mercado entende que o país está em situação política agitada, abalada ou que o governo não consegue domar sua própria economia, os investidores tendem a retirar seu dinheiro do país, preferindo outros mercados que apresentam maior estabilidade. Na realidade brasileira, isso significa que, para retirar seus investimentos do país, o investidor estrangeiro precisa trocar o real pelo dólar. Segundo dados divulgados pela B3 (Bolsa de Valores) a saída de recursos dos aplicadores não-residentes atingiu novo recorde até dia 04/05, chegando ao montante de R$ 70,3 bilhões. Essa grande quantidade, gera um aumento em massa da demanda por dólar e, consequentemente, crescimento da taxa de câmbio.

Outro item importante a ser considerado é a taxa Selic, instrumento de política monetária utilizado pelo Copom para controlar os juros do nosso país. A taxa Selic pode ser considerada outro fator que gera oscilações na taxa cambial. De acordo com dados históricos do Banco Central, o Brasil possuía na década de 90 as mais altas taxas de juros, assim como no ano 2003 que chegou ao pico de 26%, servindo como atrativo para investidores estrangeiros que aplicavam seus recursos para rentabilizar. Um governo que toma medidas para fortalecer a economia por meio da diminuição na taxa de juros, comotemos visto nos últimos tempos, sinaliza para os investidores que não vale a pena deixar recursos no Brasil, já que os rendimentos tendem a ficar mais baixos. O exemplo disso está na última divulgação (22/05) do relatório Focus do Banco Central (FOCUS, 2020), que já havia baixado a taxa para 3,0% e agora projetou a taxa Selic de 2,50% para 2,25% até o final de 2020. Qual a consequência disso? Pode-se interpretar essa sinalização como mais um movimento em direção à retirada da moeda estrangeira no país, aumentando a demanda pela compra de dólar e tornando-o novamente um papel mais caro. De fato, este é um momento histórico nunca vivido pelos brasileiros, no qual os juros estão baixos e com perspectiva de que menos dólares ingressem no país – o que, pela lei da oferta e procura, faz com que a moeda americana se valorize substancialmente.

Esses movimentos, que já vinham ocorrendo de forma gradativa há algum tempo, foram intensificados por ocasião das medidas de isolamento social adotadas no Brasil, em função da pandemia de COVID-19, que obrigou o comércio a fechar suas portas. Com o comércio em baixa, acentuou-se o cenário de pânico na economia. A reação na taxa de câmbio está sendo rápida: com a economia fraca e a taxa Selic caindo, observa-se a tendência de retorno dos investidores estrangeiros a seus países, contribuindo para a alta do dólar. A moeda norte-americana fechou o dia 15 de maio cotada a R$ 5,57 – e esse foi considerado o maior valor nominal da história sobre o Real. O Relatório Focus divulgou, no último dia 22, que o dólar tende a fechar o ano em R$ 5,40 – valor muito superior à previsão de R$ 4,80, realizada há cerca de um mês (FOCUS, 2020).

A declaração do coronavírus como pandemia, pela Organização Mundial de Saúde (OMS) implicou na adoção de medidas de controle da circulação nas cidades, com evidentes implicações econômicas. Alguns setores da economia brasileira estão sofrendo mais com a volatilidade no preço do dólar, com destaque para o mercado de turismo e viagens, um dos primeiros afetados com a desvalorização do real diante da moeda americana. Estamos presenciando movimentos de fechamento de estabelecimentos hoteleiros, a situação dramática de agências de viagens que não conseguem vender pacotes e o cancelamento de voos de companhias aéreas. O panorama apresentado indica elementos cruéis de uma realidade trazida pela crise sanitária no país.

A consequência desse contexto para o consumidor brasileiro, que sofre com os efeitos imediatos nos preços das viagens ao exterior, é que o câmbio extremamente caro influencia diretamente nos gastos realizados em moeda americana, conforme entendimento dos economistas ouvidos pela BBC News Brasil (BBC, 2020). A pandemia gerou uma quantidade grande de cancelamentos de viagens já marcadas diante das proibições de trânsito entre países. Além disso, a alta do dólar não só eleva os preços das passagens aéreas, mas também limita o poder de compra em viagens ao exterior, já que o pagamento de hospedagens e demais serviços em moeda americana torna-se mais caro.

O contexto apresentado acaba agravando a situação de empresas que já vinham enfrentando problemas no mercado. Como exemplo, podemos citar o caso da CVC Turismo, que desde o início do ano vem amargando perdas acionárias em razão da baixa performance de seus números no 3º trimestre de 2019, associada aos impactos negativos em face da dificuldade de admitir erros na elaboração de seus números no balanço patrimonial dos últimos 5 anos. A Companhia está sendo severamente impactada pela pandemia, chegando a perder cerca de 76% de seu valor de mercado desde o mês de fevereiro (LINHARES, 2020). O ranking negativo das 10 ações listadas na Bolsa de Valores, no dia 22 de maio, em meio a pandemia segue na sequência: em 3º lugar, a Cia Aérea Azul (-58,09%); em 5º lugar, a agência de viagens CVC (-73,81%); em 7º lugar, o programa de fidelidade Smiles (-71,70%); em 9º lugar, a Embraer (-65,47%) e, em 10º lugar, a companhia aérea Gol (-48,27%) (GUIAINVEST, 2020).

O cenário flutuante e incerto do dólar, nesse período de crise, nos faz entender como funciona a lógica simples do mercado: ganha mais quem tem receitas em dólar e, consequentemente, perde muito quem tem gastos precificados em moeda americana. Inserido nessa lógica, citamos o aplicativo da Zoom Video Communications, empresa norte-americana sediada na Califórnia, que repentinamente se posicionou no topo do ranking dos aplicativos gratuitos mais baixados da App Store, da Apple. Em um único dia o app foi baixado por quase 600 mil pessoas (APPTOPIA, 2020). Por sua vez, a plataforma AAA Inovação noticiou sobre a supervalorização das ações da Zoom, que abriu seu capital em 2019, resultando em valuation de US$38 bilhões – valor muito maior em relação às companhias aéreas americanas Delta, United Airlines e American Airlines juntas (AAA Inovação, 2020). A descrição desses dois cenários que impactam diretamente o setor de turismo, associados à alta do dólar e à crise de desvalorização das companhias aéreas em virtude das medidas restritivas de distanciamento social, fizeram muitos voos serem cancelados ou remarcados, refletindo a esperança de haver retorno à “vida normal”, anterior à pandemia.

O QUE FICA DE CERTEZA PARA O FUTURO PRÓXIMO NO SETOR DE TURISMO?

É importante sinalizar alguns aspectos referentes aos cenários negativos que convergem para uma crise setorial no mercado de turismo e viagens. A reflexão proposta será norteada pelas seguintes questões:

· Há, no mercado turístico, uma demanda retraída que voltará ao normal após a pandemia cessar?

· A população viajante de antes continuará com compromissos e desejos de se arriscar em novas viagens internacionais?

· Haverá uma retração no desejo de viagens internacionais por causa do dólar?

· Os destinos domésticos serão a nova demanda dos brasileiros por viagens?

É certo dizer que, diante desse contexto, as empresas mais afetadas foram as companhias aéreas e os demais negócios turísticos que envolvem viagens – tais como programas de fidelização e o setor hoteleiro. Alta do dólar, um dos principais fatores que justifica esse contexto são as restrições impostas aos viajantes. Após a pandemia ser controlada, é possível que permaneça o medo de viajar que se instalou na população, pois ninguém quer se arriscar em ir a um local distante de seu país e correr o risco ser infectado. Apesar do movimento original de se baixar os juros com a intenção de se implementar uma política monetária eficiente, o Brasil ainda sente o efeito da valorização do dólar sobre o real. Essa política, que poderia fortalecer a economia interna brasileira, acabou gerando, em face da crise sanitária, acentuado processo de supervalorização da moeda americana. Ou seja, diante do caos que se instalou a nível global, não é apenas o dólar alto que afeta o setor de turismo, mas também a falta de perspectiva mediante os elevados índices de desemprego por todo o mundo e a incerteza da solução de cura da COVID-19, de modo a interromper a recessão mundial.

No mundo ideal, desejaríamos uma vacina que controlasse o contágio da doença e talvez o cenário de recessão pudesse ser amenizado. No entanto, no setor de turismo e viagens, ainda há outro fator complicador: a alta do dólar, que tende a continuar nesse patamar, conforme previsões. Promover a venda de pacotes de viagens futuras, aumentar vantagens para a aquisição de programa de milhagens, dentre outros métodos comerciais de vendas, tem sido formas de tentar manter positivo o caixa das empresas desse setor. Hotéis e demais meios de hospedagens terão que se reinventar e montar pacotes futuros para apostar na demanda por viagens domésticas. A palavra de ordem é reinventar-se e ser criativo dentro de um negócio já amadurecido e consolidado que é o setor de turismo. As pessoas não vão deixar de viajar, mas vão mudar a forma e a frequência de suas viagens, principalmente no que diz respeito aos destinos internacionais.

Contato | Anuncie
Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Negócios em Foco

Notícias empresariais

Localização
São Paulo - SP, Brasil

E-Mail
redacao@negociosemfoco.com