Negócios em Foco

Livro de escritor brasileiro transforma política em ficção


Belo Horizonte, MG. 03/08/2018 14h03

Romance “A Morte do Filho do Rei” mistura narrativa de ficção com a experiência do autor nos bastidores do cenário político brasileiro.

DINO

Para escrever seu romance de estreia “A Morte do Filho do Rei” (Adelante, 2018), o autor Guilherme Santos se valeu de sua experiência profissional. Além de jornalista, o autor é especializado em gestão pública, atuando em campanhas eleitorais e em assessoria parlamentar há mais de 12 anos. Foi assessor de imprensa na Assembleia Legislativa de Minas Gerais e na Câmara dos Deputados, em Brasília. Atuou como chefe de gabinete e, desde 2015, é secretário executivo no diretório estadual de um grande partido em Minas Gerais.

 

A obra que resultou dessa combinação de experiências promete aos leitores uma ficção política com suspense e ação, abordando temas como o aborto, o regime militar e a tentadora busca pelo poder. A trama gira em torno do senador baiano Gamaliel Brasil, um popular político no auge da carreira, apontado como o favorito para as eleições presidenciais em todas as pesquisas de intenção de voto. Admirado por sua fama de incorruptível e por seu elevado senso de moral, o senador ganhou da mídia estrangeira o apelido de “O Rei do Brasil”, e em torno dele existe uma grande expectativa de que o país seja enfim colocado nos eixos numa crise política e econômica muito semelhante à realidade atual do país.

 

Os problemas começam quando entra em seu caminho a bela jovem Amélia, com quem o poderoso homem público manterá um relacionamento extraconjugal. A descoberta de gravidez da jovem pouco antes da campanha eleitoral é um fato que pode ameaçar a praticamente certa vitória de Gamaliel nas urnas, e despertará a ira de uma poderosa e misteriosa organização que atua nas sombras da República. Para fugir de uma complexa trama de poder e ameaça, Amélia só poderá contar com Joca, um destemido jornalista que, movido pela paixão e pela indignação, fará tudo ao seu alcance para protegê-la.

 

O livro inicia com uma escalada descritiva, durante a qual o leitor pode fazer um verdadeiro city tour por Brasília. Os prédios de mármore da capital do Brasil, os símbolos nacionais e inúmeras curiosidades estão presentes, frutos de ano de pesquisa e da observação empírica do autor, que conseguiu reunir vários desses elementos em seu texto. Do meio para o final, a trama acelera enquanto Joca e Amélia fogem pelo país, trocando os cenários e revelando um pouco da imensidão do Brasil, até que a narrativa se conclua na promessa de um final surpreendente.

 

O autor define sua obra como uma história sobre os meandros da relação entre o ser humano e o poder. “O livro fala de muitos temas polêmicos, como negociatas políticas, encenações, traições, conspiração, aborto, entre outros”, relata Guilherme. “Mas vejo que tudo isso são instrumentos para contar uma história sobre o poder, e sobre até onde estão dispostos a ir aqueles que o disputam”.

 

INOVAÇÃO

 

Diante dos desafios do mercado editorial brasileira, sobretudo na área de ficção, A Morte do Filho do Rei aposta em uma estratégia diferente para chegar às mãos dos leitores. Além de ser distribuída nas principais livrarias, a obra pode ser adquirida no site pessoal do autor, acessado através do endereço www.guilhermecsantos.com.br, onde estão disponíveis informações sobre o projeto.

 


Mais informações:

Divulgado por

Contato | Anuncie
Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Negócios em Foco

Notícias empresariais

Localização
São Paulo - SP, Brasil

E-Mail
redacao@negociosemfoco.com