Negócios em Foco

Conheça as funcionalidades e diferenças entre piano, teclado e órgão


São Paulo - SP 21/08/2018 15h16

Embora parecidos, piano, teclado e órgão são instrumentos cuja reprodução do som acontece de maneira distinta, em que cada um possui sua particularidade.

DINO

A música está presente em quase tudo. Para compor belas melodias existem diferentes instrumentos musicais, seja em espetáculos, shows ou mesmo em alguma apresentação simples. Eles são capazes de deixar as pessoas alegres, calmas e até permitem que sejam realizadas reflexões sobre determinado assunto. Entre as opções disponíveis no mercado, três delas são parecidas entre si e faz com que muitas pessoas se confundam, que são o piano, o teclado e o órgão. Há características internas que os diferenciam e que têm influência não só no timbre, como também na maneira de tocar.

A classificação de um instrumento musical se dá de acordo com o elemento que produz o som. Como no piano isso ocorre por um conjunto de cordas, ele possui a mesma classificação de um violão ou violino. Para que o som seja reproduzido, é preciso que o pianista pressione as teclas, momento em que um martelo é acionado, permitindo que as cordas vibrem. O piano possui vários formatos, cada um com uma recomendação de utilização, que varia de acordo com o local. O de armário é encontrado com mais facilidade, enquanto o de cauda é comum ver em concertos e apresentações clássicas.

Já o teclado é um instrumento eletrônico com uma capacidade maior de produzir sons, efeitos, timbres e ritmos. A variedade compreende ainda a programação de sons de outros instrumentos musicais, como os de percussão. Esses efeitos podem ser muito importantes para ajudar a compor a melodia da música. No que se refere às características físicas, as teclas são mais leves que as do piano. Ainda assim, a performance ao tocar é muito parecida. Isso faz com que os músicos consigam tocar ambos os instrumentos com facilidade.

Ainda no mesmo segmento existe o órgão. Criado inicialmente para ser utilizado no sistema de tubos, este é considerado um instrumento de sopro. Isso porque a reprodução do som se dá pela passagem de ar comprimido pelos tubos. Pouco utilizados hoje em dia, as dimensões de um órgão podem variar. A diversidade de timbres produzida aumenta de acordo com a quantidade de tubos. Como se trata de um instrumento de difícil locomoção, ele foi se modernizando com o tempo, dando espaço para o órgão eletrônico. Mais compacto, ao invés de tubos ele possui circuitos eletrônicos.

A Jubi , loja especialista em órgão eletrônico , explica que o órgão é o instrumento mais antigo que se tem registro e teve grande relevância na história. "Desde a origem, ele sempre teve uma importância fundamental na música, em especial para entoar cantos nas igrejas. Hoje, ele ganhou várias outras funcionalidades e facilidades de transporte e manuseio. Isso ampliou ainda mais a capacidade de som", conta.

Embora parecidos, o piano, o teclado e o órgão são três instrumentos cuja reprodução do som acontece de maneira distinta. Com efeitos também variados, cada um possui uma particularidade mais apropriada para determinados locais. O de menor complexidade é o teclado, sendo o mais recomendado para iniciantes. O órgão eletrônico possui flexibilidade de locomoção e também pode ter vários efeitos. Para os interessados em começar a tocar, a recomendação é pesquisar bastante sobre o instrumento e fazer aulas experimentais, a fim de decidir em qual deles é possível ter o melhor desempenho.


Mais informações:

Divulgado por

Contato | Anuncie
Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Negócios em Foco

Notícias empresariais

Localização
São Paulo - SP, Brasil

E-Mail
redacao@negociosemfoco.com