Negócios em Foco

Por trás das fintechs: a relação do Banco Central com a atuação do banco digital


São Paulo 22/04/2021 17h42

Com as transformações no mercado, os bancos digitais passam a ser mais competitivos e entregam inovações que agregam valor no cotidiano de seus clientes

O avanço exponencial dos processos de transformação digital trouxe novas formas de fazer negócios e potencializou no mercado as famosas startups que, hoje, compõem uma parcela expressiva dos empreendimentos na economia mundial. Dentro desse cenário, as fintechs ganharam espaço e fazem parte da rotina, remodelando serviços financeiros essenciais que, antes, sofriam com a burocracia e morosidade.

Por meio de processos baseados em recursos tecnológicos, a palavra “fintech” em si já explica o ideal por trás dessas empresas, tendo a junção de “financial” (financeiro) com “technology” (tecnologia). Por outro lado, existem processos que envolvem grandes entidades, como Banco Central (BACEN), por exemplo, que são pouco explorados.

Vale ressaltar que o próprio BACEN define as fintechs como “empresas que introduzem inovações nos mercados financeiros por meio do uso intenso de tecnologia”, ressaltando, ainda, o potencial que tais empreendimentos possuem para criar modelos de negócios inovadores. Além disso, o BACEN também sinaliza que, no Brasil, diferentes categorias de fintechs podem ser mapeadas, envolvendo as de crédito, de pagamento, gestão financeira, financiamento, investimento, empréstimo, entre outras.

A relação com o Banco Central

Em abril de 2018, o BACEN publicou resoluções importantes para que as fintechs pudessem operar em território nacional, dentre elas a resolução nº 4.656, que estrutura dois tipos de empresas financeiras, sendo elas: Sociedades de Empréstimo entre Pessoas (SEP) e a Sociedade de Crédito Direto (SCD). Ao iniciar sua vida no mercado financeiro, as fintechs que desejam atuar como SEP ou SCD precisam entrar com um protocolo no Banco Central, obtendo uma licença para se tornar uma instituição financeira com número de banco próprio.

O Banco Central exige que uma fintech seja aberta com capital próprio e plataforma digital e, para tanto, o termo “Bank” é o responsável por identificar os bancos digitais. A permissão concedida pelo BACEN leva aproximadamente seis meses, considerando o processo de análise e liberação. Finalizando essa etapa, o banco digital passa a operar no mercado financeiro, podendo ofertar todos os serviços, envolvendo empréstimos, financiamentos e consignados, da mesma forma que os bancos tradicionais, porém com mais modernidade e inovações aplicadas na experiência do cliente.

O mercado de adquirência

Companhias que atuam com serviços financeiros, mediando pagamentos realizados em maquininhas de cartões de crédito, fazem parte do chamado “mercado de adquirência”. Embora este mercado se categorize como sendo um ramo complexo, com poucos operadores, mostra sua importância e necessidade para qualquer fintech. As adquirentes, ou credenciadoras, são o principal vínculo entre vendedores, compradores, bandeiras de cartões e bancos.

Nesse sentido, é a tecnologia que tornará a experiência dos lojistas ainda mais rápida e eficiente, ao disponibilizar uma central de atendimento e suporte especializada e experiente, em que se pode atender de forma personalizada o público. Embora façam parte dos negócios que ofertam serviços financeiros, as fintechs são muito mais modernas que bancos tradicionais e a experiência do usuário é elevada constantemente, com recursos disponibilizados por meio de aplicativos, que podem ser acessados tanto em smartphones quanto em computadores.

Por fim, a tendência é que os bancos digitais conquistem cada vez mais espaço, ofertando serviços qualitativos com segurança e agilidade.

*Cristiane Ramos é Diretora Comercial e de Marketing da fintech Dank Bank.


Mais informações:

Contato | Anuncie
Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Negócios em Foco

Notícias empresariais

Localização
São Paulo - SP, Brasil

E-Mail
redacao@negociosemfoco.com