Negócios em Foco

Vale a pena fazer seguro para celular?


São Paulo - SP 31/05/2021 22h33

Dúvida é comum para quem adquire um novo aparelho; confira dicas importantes na hora de contratar esse serviço

Rodion Kutsaev-Unsplash

Está previsto para outubro deste ano o lançamento do novo modelo de iPhone da Apple. Ainda não há preço definido e as novidades sobre o aparelho são escassas – mas, a depender dos valores praticados pela empresa norte-americana nos últimos anos, o novo celular não deve sair barato. O iPhone 12 lançado em setembro do ano passado, por exemplo, é comercializado por R$ 9 mil.

Diante desse cenário, resguardar um celular é fundamental, sobretudo no Brasil. Uma pesquisa realizada pelo site Mobile Time e divulgada em julho de 2020 mostrou que 61% da população brasileira já foi vítima de roubo de celular. O levantamento mostrou ainda que 28% dos brasileiros já tiveram o celular roubado ao menos duas vezes e 11%, três ou mais vezes.

Por isso, contar com uma proteção para o seu aparelho é fundamental. Hoje, é possível pesquisar as diferentes modalidades de plano pela internet e fazer a cotação de seguro online. Contudo, antes de fazer a contratação do serviço, é preciso estar atento a cada uma das opções, valores e modos de cobertura que as empresas oferecem.

De certo modo, a aquisição de um seguro compensa para todos os clientes. Mas ela é especialmente indicada para quem adquire aparelhos cujo valor é considerado muito alto. Isso porque a anuidade do seguro pode custar cerca de 50% do valor do celular. A título de comparação, o seguro de um automóvel geralmente é cerca de 10% do preço do veículo.

Outro fator importante é analisar a sua rotina diária. Para pessoas que passam a maior parte do tempo em casa, adquirir o seguro pode não ser algo tão emergencial, ainda que possa trazer muitas vantagens. Já para quem passa muito tempo na rua e fica exposto com mais frequência, ter um seguro para celular é fundamental.

O cliente deve estar atento à cobertura proposta pela empresa. Via de regra, os seguros com planos mais básicos cobrem roubos mediante violência ou grave ameaça, ou furtos qualificados. Alguns exigem o Boletim de Ocorrência para amparar o segurado.

Muitas pessoas também não se atentam para o fato de que algumas companhias só restituem o valor do aparelho em caso de perda ou dano (físico ou elétrico) mediante um pagamento adicional na anuidade.

Outra dica relevante tem a ver com a comparação de preços. Atualmente, muitas empresas prestam esse serviço – portanto, fazer uma pesquisa sobre quem oferece o melhor preço é essencial. Naturalmente, não adianta adquirir o plano mais barato se o serviço não for de qualidade. Coloque na balança o quanto você pode gastar e analise as propostas à disposição para contratar o seguro.

Um pormenor que costuma ser pouco observado, mas que vale a pena conferir, é a carência. Algumas seguradoras oferecem carência zero, ou seja, no momento da aquisição do plano, o seu aparelho já está protegido pela empresa. Outras, no entanto, exigem um tempo para que você possa estar resguardado pela apólice. Certifique-se disso na hora da sua escolha.

Por último, mas não menos importante, verifique se há algum valor de franquia para utilizar o seguro. Algumas empresas estipulam um valor que será faturado no momento em que você precise acioná-lo. Em alguns casos, essa taxa pode chegar a 25% do valor do aparelho. O recado é claro: antes de assinar um contrato, faça uma boa pesquisa.

Contato | Anuncie
Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Negócios em Foco

Notícias empresariais

Localização
São Paulo - SP, Brasil

E-Mail
redacao@negociosemfoco.com